Mais de 30 pacientes já fizeram tratamento com acupuntura

Com problemas de enxaqueca há muitos anos, a cabeleireira Rita Josiane Fagundes, de 36 anos, fez duas sessões de acupuntura e já percebe o resultado do tratamento. “Fico mais tranquila que agora a gente tem até acupuntura de graça. Acho uma oportunidade excelente para quem precisa. Com as sessões que fiz já alivia bastante minhas dores de cabeça”, afirmou.

Rita está entre os cerca de 30 pacientes que já tiveram acesso a esse serviço, através da Secretaria  Municipal de Saúde (Sesa). De acordo com a supervisora técnica da Atenção Básica, enfermeira Bárbara Haas, a acupuntura como terapia alternativa aos tratamentos de saúde é comprovada cientificamente e a ideia é ampliar o serviço. “As evidências científicas têm mostrado o benefício do tratamento integrado entre medicina convencional e as práticas integrativas e complementares. Tivemos o cuidado de inserir no plano de ação e assim ampliar para novas unidades básicas de saúde”, afirmou.

O serviço contempla as unidades de saúde que integram o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) A, que são: Cristal, Dr Pedro Eggler, Faxinal, Glória, Linha Santa Cruz 1 e 2, Margarida, Menino Deus, Progresso, Rio Pardinho e Viver Bem. Além delas, a Estratégia Saúde da Família (ESF) Cohab, com abrangência dos bairros Cohab e Avenida, e Usuários da Unidade Municipal de Referência em Saúde do Trabalhador (UMREST), também são atendidos.

O tratamento é oferecido a pessoas que sofrem de fibromialgia, depressão diagnosticada em tratamento medicamentoso ou não, cefaleia e enxaqueca, osteoartrite ou pós-operatório traumatológico.

O encaminhamento ocorre a partir de solicitação médica para a terapia. Os atendimentos são realizados nas segundas à tarde e sextas de manhã pelo doutor Gilberto Gonçalves, no Ambulatório Central, e nas quintas-feiras de manhã pela enfermeira Carina Suzana Pereira Correa, na ESF Cohab. Na UMREST, os atendimentos ocorrem nas terças e sextas-feiras, à tarde.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *